#4 - Ždiar: Um pequeno vilarejo na Eslováquia

Era Janeiro de 2012, estava curtindo o delicioso frio de -10 Graus Celcius em Cracóvia - Polônia. Minha intenção era passar os próximos 3 dias fazendo ski-bunda enquanto o meu amigo esquiaria de snowboard. 

O plano inicial era ir para as montanhas Tatra na cidade de Zakopane, conhecida como Capital do Inverno da Polônia. Adam Miklasz, recepcionista do albergue que estávamos hospedados, comentou que aquela semana era férias de inverno e a montanha estaria cheia, consequentemente com os preços inflacionados. Aconselhou então que fossemos para o outro lado da montanha, no vilarejo de Ždiar – Eslováquia. Tempo de viagem, 3 horas de trem para Zakopane e mais 2 horas de ônibus até Zdiar. Naquela semana em Cracóvia havíamos conhecido algumas pessoas. Jack um australiano de Adelaide nunca havia esquiado e nos acompanhou nesta Aventura.

2012 01 - Zdiar vista da porta do hostel Ginger Monkey
Andar de ônibus nunca foi tão emocionante quanto este trecho no alto da montanha, com estrada de terra/neve e o precipício ali, 3 metros do lado. O ônibus estava lotado então fomos de pé (na verdade eu estava na mochila). A cada minuto que passava eu me perguntava o que estava fazendo ali. Como não fazíamos ideia de como era o local para saber qual era o nosso ponto, tinha mostrado para o motorista o nome da cidade em um mapa (não sabia nem pronunciar o nome da cidade) e fiquei esperançosamente aguardando ele nos avisar quando chegassemos. Viva a mímica! Linguagem universal.

Descemos em um ponto de ônibus no meio do nada. O lugar era muito bonito, mas logo olhei para todos os lados e pensei… “agora f$#%^!”. Não havia placas, casas, ruas… Longe avistamos a ponta de uma igreja e uma subida para lá. Fomos cortar caminho e afundamos na neve, só ficou  a cabeça para fora. Parecia cena de desenho animado. Acho que sem ajuda jamais sairia daquele buraco.

Zdiar é um pequeno vilarejo de 1300 habitantes. Fica a 370 km ao nordesta da capital Bratislava. 
A Eslováquia pertencia a antiga Checoslováquia, separadas em República Tcheca e Eslováquia desde 1993 sempre confundida com a Eslovênia que pertencia a Iugoslávia até 1991.  Apesar de falarem idiomas diferentes eles se entendem, e ainda há similaridade com os Tchecos, Hungaros e Poloneses. 
Brasileiros não necessitam de visto para entrada no país, por terra nem passaporte precisaria.. cruzei fronteiras sem ver um policial.

Ginger Monkey
O hostel que ficamos chama-se Ginger Monkey. Trata-se de uma casa de madeira bem estilo “casa do lenhador”, com direito a chá, café e chocolate quente a vontade (essencial no frio). Além de torradas com geleias e manteiga, sucrilhos e leite. A diversão está garantida com Wally, o cachorro que adora brincar na  neve. Tudo isto por 12 euros ao dia.





2012 01 - Eu e Wally
Estavamos morrendo de fome e pedimos instruções para algum lugar onde poderia comprar comida. Um dos atendentes do hotel fez um pequeno mapa e disse que na casa da Khldasstzzdsjadlsa (algum nome com mais consoante que vogal) haveria comida para comprar. Após caminhar cerca de 20 minutos encontramos a loja que ficava no porão da casa. Compramos 2 cup noodles, 1 litro de suco de laranja, pao, presunto e queijo. Ao pagar a mulher disse: “Three Euros” (na epoca 2,20). Estranhei o preço e perguntei: “Three Euros????!!”. A mulher comentou que o euro tinha acabado de entrar no país e pediu desculpas pois estava muito caro. Além disso ela não tinha troco, peguei mais algumas coisas e deixei uma nota de 5 euros sendo que deveria receber cerca de 0,70 de troco. Ela agradeceu profundamente e logo fomos embora. Ao sair Jack lembrou da cena do filme Eurotrip que inclusive acontece na Eslováquia:


O aluguel dos equipamentos seja prancha ou ski, capacete e luvas custava cerca de 8 euros por dia. A roupa podia pegar emprestado no albergue. O preço do dia inteiro na montanha custava cerca de 20 euros. Total 28 Euros (U$37) por dia. Comparado com outros países, esquiar na Eslováquia é muito barato, na Argentina por exemplo custaria U$100 o dia.

2012 01 - Nós no alto da montanha. Ops acho que saí na frente...
Há outras cidades por perto que possuem hotéis mais aconchegantes  para hospedar os turistas dos cinco “parques” da região. Para atender o publico há transporte de graça que passa de 20 em 20 minutos e leva para para estes locais.

De noite não há muito o que fazer, praticamente todos os dias as pessoas do hostel vão para uma pizzaria no próprio vilarejo. A pizza é muito boa. Para aqueles que comem bastante, existe tamanho XXL com 50cm de diâmetro. Quem consegue comer sozinho vai para o “Wall of Fame” do Ginger Monkey, na época contava com apenas 1 brasileiro.


Algum gringo e a pizza XXL. Foto achada no google

Para quem busca por uma opção mais em conta para passar uma temporada esquiando, Zdiar é uma boa opção. Várias pessoas ficam no Ginger Monkey por mais de um mês na temporada, mas vá preparado pois o local é bem simples e o vilarejo não tem quase nada. Não recomendo se você procura um lugar mais aconchegante e com mais privacidade.


Mensagem dentro do banheiro
Video que filmei dentro do hostel, é possível ver a quantidade de enfeites e a vista da janela do quarto.


video

0 comentários:

Postar um comentário